Quem nunca precisou falar em inglês? Seja em aulas, com turistas ou para autoaprendizagem. Sempre haverá alguns erros de gramática – principalmente para iniciantes – entretanto, passarei algumas dicas de inglês para uma comunicação breve e simples.

fale-idioma

  • Saiba o máximo possível do vocabulário – É de extrema importância você conhecer as palavras que irá pronunciar primeiro, antes de realmente existir uma conversação.
  • Treine a pronúncia – Sempre é importante treinarmos a pronunciação das palavras que iremos expor, pois existem diferenças de pronúncia entre o inglês americano e britânico.
  • Use frases curtas e objetivas – Não se incomode de usar frases curtas, pois haverá um melhor entendimento de quem te escuta, além de passar uma imagem mais calma e transparente.
  • Não utilize palavras complexas – A dificuldade de usar palavras complexas é a sua pronunciação e/ou seu verdadeiro significado – falsos cognatos.
  • Saiba a gramática – É o mais importante, mesmo sendo complicado para algumas pessoas. Sem a gramática, você não saberá formular frases e assim, nunca poderá se comunicar corretamente.

Estas são algumas dicas iniciais para uma boa comunicação em inglês – sem passar vergonha – mas sem treino e esforço, ninguém será capaz de ter uma comunicação aceitável.

Espero que estas dicas ajudem a grande maioria que terá a dedicação de estudar e seguir em frente com a língua Inglesa.

Texto escrito pela aluna Anna Carolina, aluna da unidade da Tijuca.

Digital Max em New York

Primeiro dia do mês é dia de novidade! Durante todo o mês de junho nós vamos trazer dicas, curiosidades e novidades sobre Nova York. Isso mesmo, se maio foi o mês do Canadá, junho é o mês de New York, New York. E a gente precisa de um mês inteirinho para falar dessa cidade, para você ver como ela é maravilhosa e cheia de assunto.

Quando eu, Francine (se ainda não me conhece, volte ao primeiro post aqui), terminei o curso de inglês em Montreal, fui passar uns dias em Nova York, já que a cidade fica relativamente perto de Montreal e sempre foi um sonho conhecê-la. Devo dizer que foi uma das melhores experiências da minha vida, pois fui sozinha, de ônibus, de uma cidade pacata como Montreal para a energética Nova York em poucas horas.

A título de curiosidade, devo dizer que comprei uma passagem de ônibus na rodoviária de Montreal com 5 dias de antecedência pelo valor de $75,00 dólares + taxa para uma viagem que durou pouco mais de 6 horas. Cheguei em Nova York com o sol!  Vi Manhattan amanhecendo e isso foi incrível!

Mas, como todos me diziam, eu deveria tomar cuidado com a cidade. Nova York não é como Montreal. E eu sempre dizia: “Sou do Rio de Janeiro, nada pode ser mais perigoso que aquilo lá!”. De fato, não é. Não é do mesmo jeito, é importante dizer. Não vi assaltos, crianças nas ruas, todo mundo usa telefone em lugar público sem problemas. Entretanto, Nova York assusta. Não assusta pelo medo da violência urbana que, embora exista, não é tão visível nas regiões mais ricas como Manhattan. O meu medo, digamos assim, vinha da imponência da cidade. Os prédios mais altos que já vi na vida, o maior número de propaganda ao qual já fui exposta, a maior quantidade de pessoas atravessando ruas com a qual já cruzei.

Quando você chega em Nova York você se dá conta de que está em um dos principais centros comerciais do mundo. É um dos lugares que concentra mais gente rica no mundo. É ali que nascem decisões que afetam a vida de pessoas em todos os cantos do mundo. E, bem, isso é assustador e incrível ao mesmo tempo.

Neste mês de junho, vou trazer para vocês algumas impressões pessoais da cidade, lugares que conheci e algumas dicas. Como este blog tem como objetivo compartilhar conteúdos relacionados à educação, oportunidades de estágio, trabalho e profissionalização, vou buscar relacionar as experiências da viagem com conteúdos realmente úteis. Na realidade, eu fiz isso para mim mesma.

Explico: uma das melhores coisas de visitar Nova York é conhecer de perto lugares que a gente vê o tempo todo em filmes e séries. É indescritível estar em lugares como Central Park, Hotel Plaza, 5º Avenue, Times Square, Wall Street e se lembrar de filmes como “Esqueceram de Mim” e “O diabo veste Prada”, séries como Gossip Girl etc. Por isso, quando voltei ao Brasil, quis buscar mais formas de me aproximar de Nova York através de filmes, séries, sites e programas de TV. E se tem uma coisa essencial para aprender bem um idioma é o interesse pela cultura em questão.

Lembro que nunca me interessei muito por série antes de viajar para os EUA. Vários professores de inglês me falavam que assistir séries era bom para estimular a compreensão do inglês e aprender novas expressões, mas nunca curti. Voltei ao Brasil louca para ver séries que tivessem Nova York como cenário. Não é que deu certo?

Então, neste mês, além de conhecer um pouquinho da cidade que nunca dorme, você vai receber dicas de como usar o interesse que tem na cultura norte-americana a seu favor na hora de aprender e praticar inglês.

Que tal começar aprendendo a cantar New York, New York? Assista ao vídeo abaixo com imagens aéreas da cidade e treine a letra da música cantada por Frank Sinatra. Não sabe alguma palavra ou expressão? O Google taí para te ajudar. Lembre-se das dicas que demos sobre como usar o Google a seu favor.