Se fazer um intercâmbio no exterior é um dos seus maiores sonhos, mas a grana te impede de realizá-lo, você precisa conhecer a AIESEC.

intercambio-aiesec

A Association Internationale des Etudiants en Sciences Economiques et Commerciales, conhecida no mundo inteiro como AIESEC, foi criada em 1948 na Bélgica e hoje é a maior organização sem fins lucrativos (ONG) do mundo gerenciada por estudantes universitários. O objetivo da AIESEC, reconhecida pela UNESCO, é promover o intercâmbio cultural e social de jovens, contribuindo com o desenvolvendo local a partir de projetos especiais.

Diferente de todas essas agências de intercâmbio que você conhece, a AIESEC não trabalha vendendo pacotes de cursos e/ou trabalho na Disney, por exemplo. Com a AIESEC, você tem duas opções: intercâmbio social ou intercâmbio profissional.

pessoas-aiesec

No primeiro caso, você atua como voluntário em um projeto social criado pela AIESEC em conjunto com uma instituição do país. Na maioria dos casos, você é recebido por uma família que te acolhe e dá uma refeição diária durante toda a duração do projeto, além de ser recebido no aeroporto por uma equipe da AIESEC e ter suporte local durante sua estadia. Os projetos duram entre 6 e 8 semanas e estão relacionados a distintas áreas. Você pode escolher o país onde deseja ir e o tipo de projeto em que quer trabalhar. Você pode dar aula de idiomas, de orientação profissional, pode trabalhar na comunicação de uma ONG, promover a cultura local etc.

O voluntário precisa arcar com uma taxa administrativa que é paga ao escritório da AIESEC no Brasil, que irá cobrir toda orientação, acompanhamento, estadia e apoio no país estrangeiro. O intercambista deve arcar com os custos de passagem, seguro saúde e outros possíveis gastos com a viagem. A maior parte dos projetos exige nível intermediário do idioma, ou seja, você não precisa falar fluentemente a língua do país onde pretende ir, mas precisa estar disposto a aprender.

Para o intercâmbio profissional, é preciso ter alguma experiência na área, já estar bastante encaminhado na universidade e dominar o idioma do país onde se pretende trabalhar. Neste caso, é feita uma seleção mediada pela AIESEC e as empresas parceiras, que avaliam os candidatos por Skype. Os intercambistas recebem para estagiar nas empresas e o tempo de duração do intercâmbio é de, geralmente, 6 meses.

A diferença entre fazer um intercâmbio por uma agência e fazer um intercâmbio pela AIESEC será a sua experiência cultural. Com os projetos da AIESEC você se sente realmente fazendo parte de algo maior, ajudando a transformar a realidade do mundo. Há, de fato, um intercâmbio, pois você e a população local aprendem juntos, trocam visões de mundo e conhecimento.

Se você realmente quer ter uma experiência no exterior, seja agora ou no futuro, não desista! Informe-se bastante e passe a considerar a AIESEC em seus planos, pela possibilidade de crescer culturalmente.

Para conhecer melhor a organização onde grandes nomes como Kofi Annan (Nobel da Paz), Bill Clinton (ex-presidente dos EUA) e o atual presidente de Portugal já trabalharam, acesse o site: AIESEC Brasil.

É importante ressaltar que este post não é uma propaganda e que a intenção aqui é apresentar a AIESEC como uma opção de mediação de experiências culturais ainda pouco conhecida entre os jovens. Por isso, indicamos também os depoimentos disponíveis na internet, em blogs e vídeos, feitos por pessoas que já saíram do país pela AIESEC. Como sugestão especial, fica registrado abaixo o vídeo da nossa já conhecida parceira Julia Jolie, que fez seu intercâmbio na China pela AIESEC.

O que achou? Deixe sua opinião nos comentários abaixo!

visto-canadense-como-tirar-passo-a-passo

Para visitar o Canadá você precisa ter um visto, que é um documento que dá permissão para viajar ao país (imagem abaixo). Ao contrário do que foi divulgado no ano passado, continua sendo necessário o visto canadense, mesmo para os brasileiros que têm visto americano.

visto canadense que fica colado ao passaporte

visto canadense que fica colado ao passaporte

A primeira coisa que você precisa saber é que o pedido para visto canadense pode ser feito de algumas maneiras:

– Pessoalmente em uma das três unidades do Centro de Solicitação de Vistos do Canadá (CVA), com escritórios no Rio de Janeiro, São Paulo ou Brasília.

– Por meio de um serviço de despachante que provavelmente será indicado pela agência de viagens ou intercâmbio que você irá contratar.

– Pela internet, que é o que vamos mostrar aqui.

O segundo ponto importante é que o passo a passo que será mostrado a seguir não dará conta de explicar todas as dúvidas que poderão surgir durante o preenchimento do formulário, pois há itens que aparecem de acordo com o perfil da pessoa que está preenchendo. Mas, a maior parte das informações aqui vai servir para orientá-lo sobre como tirar o visto canadense.

Há três grandes etapas do processo de solicitação do visto: verificação de elegibilidade, preenchimento e submissão de documentos e envio do passaporte.

VERIFICAÇÃO DE ELEGIBILIDADE

Esse é o primeiro passo do seu processo. Ele serve para você averiguar se seu perfil está apto para solicitar o visto pela internet. Acesse http://www.cic.gc.ca/ctc-vac/getting-started.asp e clique em “Start my application” depois de verificar todas as informações. Atenção: todas as informações estão em inglês. Se não conseguir entender tudo, use o Google Tradutor. Se ainda assim for difícil a compreensão, é melhor pedir ajuda a alguém que entenda melhor o idioma.

Depois de dar início a sua aplicação, o site vai ser redirecionado a uma página onde a verificação de elegibilidade vai começar. Para isso, você deve fornecer informações como o que quer fazer no Canadá, seu país de origem, tempo que pretende ficar no Canadá etc.

A quantidade de perguntas, e de telas, dependem do seu perfil e isso pode variar bastante. Mas, depois de responder às perguntas que aparecem, o site vai gerar uma tela dizendo se você está apto ou não para dar continuidade ao processo pela internet.

Se a resposta da verificação de elegibilidade for negativa, você voltar algumas perguntas para avaliar se respondeu corretamente e então preencher de novo.

Se o resultado for positivo, será apresentado a você um checklist com tudo o que você precisa apresentar para dar continuidade ao processo.

primeira etapa

primeira etapa

Atenção 1: para realizar o processo online você precisa ter um cartão de crédito para fazer o pagamento da taxa do visto, que custa $100.00 (dólares canadenses).

Atenção 2: seu processo só estará liberado para continuar online se você tiver um código pessoal. O número é algo como este: “XY9999999999”.

PREENCHIMENTO E SUBMISSÃO DE DOCUMENTOS

A solicitação de documentos vai depender do seu perfil, das respostas que você deu na etapa anterior. Se você tem visto americano, por exemplo, pode ser que não lhe peçam alguns documentos. Mas o importante aqui é incluir todos os documentos que eles pedem e tudo mais que você conseguir para comprovar vínculo com o Brasil (se você estiver solicitando um visto de turismo ou de estudante até 6 meses), renda para se sustentar enquanto estiver no Canadá, comprovante de escola e residência, se for o caso. Ou seja, tudo que comprove sua intenção de ir e voltar sem causar problema.

Siga as instruções da página! É fácil de entender. Mas é preciso atenção.

segunda etapa

segunda etapa

Embora os documentos solicitados possam mudar, em todos os casos eles pedem para preencher dois formulários que devem ser baixados no próprio site. Você deve usar a ferramenta Adobe Acrobat Reader para editar os arquivos em pdf. Esse passo é muito importante, pois o arquivo pede uma assinatura digital depois de preenchido, que só é possível com a versão atualizada do Adobe Acrobat Reader. Isso quer dizer que você não precisa imprimir os formulários, preencher, escanear e enviar. Basta preencher no próprio computador, autenticar e fazer o upload.

Inclua todos os documentos solicitados em arquivo pdf. Não deixe de fazer uma carta de intenção, em inglês, de preferência, falando sobre suas motivações e intenções em relação à viagem. Esse ponto é importante porque é o contato mais humano que você vai ter com o cônsul que vai avaliar seu pedido, já que não há – nesses tipos de visto – entrevista presencial.

terceira etapa

terceira etapa

Depois de enviar todos os documentos, clique em submeter. Você receberá um email confirmando o envio do seu pedido de visto.

 

ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO

Você vai receber e-mails a cada alteração de status do processo de solicitação do visto, mas se você quiser acessar novamente o cadastro ou até mesmo iniciar o processo de upload de documentos e continuar depois, basta guardar seu login e acesso cadastrados na primeira etapa.

O site frequentemente fica lento porque o volume de acessos é muito alto, mas, toda vez que o site “cair”, acesse a área “Apply online” e clique em “Continue to GCKey”: http://www.cic.gc.ca/english/e-services/mycic.asp.

Atenção: depois de enviar os documentos não é possível fazer mais nenhuma alteração. Certifique-se de que todas as informações e documentos enviados estão claros e corretos.

ENVIO DO PASSAPORTE

Se solicitarem seu passaporte você tem 99% de chance do visto ser aprovado. Digo 99 e não 100 porque pode ser que eles decidam outra coisa ou encontrem informações incompatíveis com as que você enviou anteriormente e decidam não aprovar. Mas isso é bem difícil de acontecer.

Bom, se você mora em uma das cidades onde há o escritório do CVAC você pode ir pessoalmente lá e entregar e buscar o seu passaporte. Fazendo isso você economiza o valor do envio do passaporte para sua casa, mas ainda precisa pagar a taxa de serviço no valor de R$72,37. Se você for utilizar o serviço de courier do CVAC (para entregar o passaporte em sua casa), essa taxa pode variar entre R$31,54 e R$169, 70.

Todas as informações sobre esse procedimento podem ser encontradas no site do CVAC, em português:  http://www.vfsglobal.ca/Canada/Brazil/introduction.html.

Quando você for enviar ou levar o seu passaporte no CVAC você precisa anexar a carta gerada no sistema online do visto e o comprovante de pagamento da taxa de envio, se for o caso, e da taxa de serviço. Se você for levar pessoalmente o passaporte em um escritório do CVAC você poderá pagar a taxa pessoalmente, em dinheiro ou cartão.

Depois que o passaporte é enviado, o processo será muito rápido. Em menos de 7 dias o passaporte já estará pronto para ser retirado ou enviado.

Atenção 1: o seu visto canadense provavelmente terá a validade do seu passaporte. Diferente do visto americano, ele não será mais válido depois que a validade do passaporte vencer.

Atenção 2: visto aprovado não é garantia de entrada no país. Quando chegar ao Canadá você terá que passar pela imigração e provavelmente apresentar a documentação que comprova o que você fará no país. Esteja preparado!

 

O processo de solicitação do visto canadense pode parecer difícil, mas, seguindo o passo a passo do próprio sistema, não tem como errar. Mas, claro, é preciso muita atenção e paciência.

Eu tirei meu visto sozinha, tanto o americano quanto o canadense e consegui aprovação nos dois logo de primeira. O canadense eu confesso que foi um pouco mais chato, mas acho que vale a pena fazer sozinho, pois o serviço de despachante é bem caro e não há garantia de que o visto vai ser aprovado.

Ah, o blog “Fazendo as malas” me ajudou muito no processo de solicitação de visto. Eles têm um passo a passo muito detalhado do processo. Se tiver faltando alguma informação aqui, corre lá: http://fazendoasmalas.com/blog/como-tirar-o-visto-para-o-canada-pela-internet-um-guia-passo-a-passo-completo/712/#login_steps.

 

Se você tiver alguma dúvida, comente logo abaixo!

See you!

Com que agência eu vou?

Hoje vamos falar sobre as possibilidades de contratação de curso de idiomas no exterior. Se você quer fazer um curso no exterior deve saber que é possível fazer isso sem mediação de agência de intercâmbio. Isso mesmo!

Você pode fazer por sua conta a cotação com as escolas, avaliar as melhores opções e contratar o curso aqui do Brasil. Para isso, basta entrar em contato com as escolas que você considera interessantes e pedir orçamento. Muitas vezes eles têm essa informação no site, mas, se não tiver o que você quer saber, envie um email perguntando. Nesse caso, você precisar ter conhecimento de inglês para fazer as perguntas. Entretanto, muitas vezes as escolas têm funcionários que falam português.

Quando comecei a procurar informações sobre o intercâmbio, eu entrei em contato com várias escolas e agências ao mesmo tempo para comparar os preços. Buscava no Google “english course in Dublin”, por exemplo, e mandava um email para a escola com minhas dúvidas. Lembro que em Dublin era mais vantajoso contratar diretamente com a escola, pois o valor era bem mais barato. Entretanto, o mesmo não aconteceu com o Canadá.

Nas buscas que eu fiz sobre cursos no Canadá, vi que valeria mais a penas contratar com uma agência, pois o preço do curso era o mesmo e eu ainda poderia parcelar.

E é aí que entra o árduo trabalho de decidir a melhor agência. São tantas opções: IE Intercâmbio, STB, ExpoMundo, CI, CE, This Way, Egali..Eu escolhi essa última, pois ela me ofereceu o melhor custo-benefício, é uma empresa conhecida e não cobra pelo serviço de orientação.

Mas é preciso ficar atento com algumas coisas. Para não ter nenhum erro, leia a lista abaixo!

1 – Faça orçamento com pelo menos 3 agências.

2 – Compare o preço dos cursos nas próprias escolas com os das agências. As agências recebem das escolas para vender os cursos e elas não deveriam cobrar a mais por isso.

3 – Tente negociar o valor do seguro, para que ele seja incluído no orçamento. Para cursos de curta duração isso é fácil de conseguir.

4 – Faça todas as perguntas por email para manter tudo registrado e assegurar que os acordos sejam mantidos.

5 – Mas, sobretudo, leia o contrato antes de assiná-lo.

6 – Negocie preços. Se gostar mais de uma agência que tem um preço um pouco mais alto, fale de sua vontade de fechar contrato com eles, mas que o preço está mais alto do que a concorrente.

7 – Procure alguém que já tenha contratado a agência antes de você, peça referência a eles e busque em sites como Reclame Aqui antes de fechar o contrato.

Por hoje é só, pessoal!

See you soon!

Digital Max no Canadá

Eu sou Francine Tavares, trabalhei na Digital Max quando eu tinha 18 anos e hoje, quase 10 anos depois, estou de volta para movimentar os canais de comunicação da Digital Max, trazer novidades e conversar com vocês. E eu vou começar contando um pouco da experiência que tive no curso de inglês que fiz no Canadá em março e abril deste ano. Acabei de voltar de lá e as informações estão fresquinhas na minha cabeça!

 

Sou formada em Comunicação Social, Publicidade e Relações Públicas, estou terminando o mestrado em Comunicação também e confesso que nunca gostei de estudar inglês. Adoro estudar, mas inglês nunca foi meu forte. Mesmo assim, sempre procurei estudar a língua, faço cursos desde os 16 anos, indo e voltando de vários deles sem concluir nenhum. Mas, no ano passado, decidi que não deixaria 2016 acabar sem conseguir me comunicar em inglês. Não mesmo! Então me planejei para fazer um mês de curso de inglês no exterior. Para tornar realidade um dos meus grandes sonhos, tive que começar a pensar e planejá-lo com muita antecedência. Antes mesmo de decidir data e destino e até mesmo se eu teria condições de ir, comecei a minha pesquisa.

Este será o primeiro de muitos posts sobre o Canadá. Mês que vem vamos saber um pouco mais sobre os EUA.O objetivo é compartilhar experiências minhas e de outros integrantes da Digital Max e do Probem que possam interessar a alunos ou não.

Então vamos lá!

O primeiro passo nesse “projeto internacional” foi buscar orçamento com agências de intercâmbio como Egali, CI, EF etc. Comecei a fazer essa pesquisa ainda em 2014. Na época, minha intenção era ir para a Europa, Londres primeira opção ou Dublin como segunda opção. Entretanto, o aumento do euro e da libra esterlina, moeda da Inglaterra, me fizeram mudar os planos e colocar o Canadá como a única opção financeiramente viável. Até então não havia pensado no Canadá. Não tinha feito isso porque sempre tive maior vontade de conhecer a Europa do que a América do Norte e também porque, para EUA e Canadá, eu precisaria de visto. Essa questão do visto, aliás, é muito importante. Por isso, vou fazer um post falando sobre esses trâmites burocráticos mais à frente. Aguardem!

Bom, essa questão do visto realmente me assustava. E se o visto fosse negado? Era esse o meu maior medo, porque perderia tempo e dinheiro. Mas no fim das contas o visto foi aprovado e depois eu conto como foi esse processo.

 

Moeda

Definitivamente, a questão financeira foi determinante na minha escolha. Quando eu comecei a buscar orçamentos de intercâmbio, o Euro, que é a moeda da Irlanda e da maior parte dos países da Europa, estava R$3,10 e a Libra esterlina, moeda da Inglaterra, R$4,10 (mais ou menos, pois não lembro os preços exatos). Como eu demorei para decidir, não foi possível aproveitar esses preços e tudo subiu. Conclusão: o Dólar Canadense a R$2,80 foi a melhor opção.

Dólar canadense

Dólar canadense

Quando você compra um curso no exterior, você vai pagar o custo da moeda local, ainda que você pague para a agência em Real. É importante lembrar também que você precisará levar dinheiro para alimentação, transporte e lazer, por isso é importantíssimo acompanhar a taxa do câmbio diariamente para encontrar a melhor época para comprar dinheiro.

Um site que me ajudou muito nesse processo cansativo foi o Melhor Câmbio. Ele dá a melhor taxa de câmbio do dia/período e as casas de câmbio que oferecerem o melhor preço. Acesse aqui: melhorcambio.com.

 

Toronto, Montreal ou Vancouver

 Montreal, Toronto ou Vancouver: dúvida cruel!

Toronto, Montreal ou Vancouver: dúvida cruel!

Depois de decidir que eu iria para o Canadá, a outra decisão importante a ser tomada seria o destino. Os três destinos principais para estudo de línguas no Canadá são Toronto, Vancouver e Montreal. Os dois primeiros para quem quer aprender apenas inglês e Montreal para quem quer aprender inglês ou francês. Isso mesmo, Montreal, que é a maior cidade de Québec e a segunda mais populosa do Canadá, é majoritariamente francófona devido a colonização da França, mas quase toda a população fala francês e inglês, especialmente os mais jovens.

Esses três destinos são muito diferentes, por isso a escolha foi difícil. Vancouver, por exemplo, é uma cidade litorânea, na região norte, mais quente do que Toronto que, embora não seja a capital do país, é a maior cidade do Canadá.

Acredito que o destino mais procurado por quem quer estudar inglês no Canadá seja Toronto, mas eu escolhi Montreal por dois motivos: baixo custo de vida e possibilidade de estudar inglês e francês ao mesmo tempo. O segundo motivo acabou não vingando, porque, com a intensidade do curso de inglês, tentar aprender outra língua ao mesmo tempo seria impossível. Eu vou escrever com detalhes como foi a experiência de estudar inglês em Montreal ainda esta semana. Fiquem ligados!

 

Custo de Vida

Tem uma coisa que você precisa saber sobre custos no Canadá (e nos EUA também): o preço que está nas etiquetas não é, na realidade, o preço final. Isso mesmo, os impostos ou taxas, como eles chamam, são cobrados a parte. Então, quando você for comprar alguma coisa, preste atenção pois você vai pagar um valor a mais referente à taxa.

Embora as taxas em Québec sejam as mais altas de todo o Canadá, o custo de vida permanece sendo o menor. Para residentes é melhor ainda, pois a província oferece uma série de benefícios únicos para os moradores da região como saúde pública de qualidade, licença maternidade para mães e pais, entre outros.

Mercado também é barato por lá. Com $30,00 é possível fazer boas compras para durar uma semana e alimentar uma pessoa. Mas carne vermelha, principalmente, é bem caro.

O transporte também é outro ponto que pesa a favor de Montreal. Com $85,00 é possível usar metrô e ônibus o mês inteiro sem limite. E o melhor: o metrô é rápido e seguro, como todo o Canadá, e Montreal em especial.

 

Curso de Inglês

Escola ALI - Montreal

Escola ALI – Montreal

Talvez esse seja o ponto que mais interessa, afinal o objetivo foi viajar para melhorar o inglês de um jeito ou numa velocidade diferente do que eu teria no Brasil.

No fim das contas, escolhi a agência Egali para contratar o curso depois de verificar o preço diretamente com a escola. Como não havia diferença de custo do curso se eu comprasse direto com a escola ou com a agência, escolhi pagar pela agência porque eu poderia parcelar.

A Egali só me deu uma opção de escola, que foi a Académie Linguistique Internationale (ALI), uma escola de inglês e francês, então eu não tive como avaliar outras. Eu cheguei a buscar os preços de algumas outras, mas a ALI tinha o melhor custo-benefício.

Fechei um pacote com curso de 20 horas semanais (segunda à quinta, de 8:30 às 14:30), mais residência estudantil (um quarto numa casa perto de uma estação de metrô, com 10 minutos de distância da escola) e seguro saúde para o período que iria ficar lá.

Não vou falar os preços aqui porque eu fechei o contrato em uma data específica e os valores estão sempre mudando. Mas você consegue orçamento facilmente entrando em contato com as agências ou diretamente com as escolas.

Posso dizer que valeu muito a pena o curso no exterior! Embora tenha sido apenas um mês, esse mês valeu literalmente como um semestre, pois trabalhamos um livro inteiro em sala de aula.

Por hoje, vou ficar por aqui, mas no próximo post eu vou falar em detalhes como é o curso, como fui parar no nível que entrei lá, vou falar como eram as aulas, compartilhar algumas dicas que os professores deram e dar sugestões de como aproveitar melhor suas aulas de inglês, seja no Brasil ou no exterior.

Quarta-feira tem post novo aqui no blog!

See you soon, guys!